Nós somos o 8ºB da EB 2,3 Matilde Rosa Araújo. Este Blog surgiu porque a nossa profª de Língua Portuguesa, Dina Pécurto, teve a ideia ;) Aqui estão textos escritos por nós e para quem não gostava da disciplina até que nos desenrascámos bem ;)

02
Jun 09

 

 

Um tesouro

É um mistério

Cheio de ouro

 

Os amigos

São como um tesouro

Numa arca ficam guardados

Pois valem ouro

 

Se me pintasse de ouro

Seria um tesouro

Numa arca guardada

Perdida no meio do nada

 

Lisandra

 


 

Sozinho no mar

As ondas eu oiço

Sinto-me agitar

Como se estivesse num baloiço

 

No silêncio sinto-me bem

Não gosto de barulho

Não faz bem a ninguém

E disso tenho orgulho

 

Isto é uma seca

Já estou farto disto

Quero ir-me embora

E, por isso, desisto!

 

Bruno

 


01
Mai 09



VERSIFICAÇÃO – é a arte ou a técnica de fazer versos.


VERSO – é uma linha de um poema. Pode ou não ter sentido completo.


RITMO – é o resultado da sucessão de sílabas fortes e fracas (tónicas e átonas) com intervalos regulares ou não muito espaçados. O ritmo é uma fonte de prazer estético auditivo. Pode apresentar-se lento e vagaroso, rápido e sincopado.

Exs.: Ritmo lento:
«Houve outrora um palácio, hoje em ruínas
Fundado numa rocha à beira-mar…»
(Gomes Leal)

Ritmo rápido: «Beijo na face
pede-se e dá-se.»
(João de Deus)

RIMA – é a correspondência (identidade ou semelhança) de sons verificada a partir da vogal tónica
da última palavra de dois ou mais versos.

Ex.: «No plaino abandonado
…………………………
De balas trespassado
…………………………»
(Fernando Pessoa)

– Versos rimados – são os versos que rimam entre si.

Ex.: «A arte em nós se revela
sempre de forma diferente:
cai no papel ou na tela
conforme o artista sente.»
(António Aleixo)

 

– RIMAS

 

• Cruzada – os versos rimam alternadamente.

Ex.: «No dia de S. João           a
Há fogueiras e folias                    b
Gozam uns e outros não           a
Tal qual como os outros dias.»      b
(Fernando Pessoa)

• Emparelhada – os versos rimam dois a dois ou três a três consecutivamente.

Exs.: «Cantando espalharei por toda a parte        a
Se a tanto me ajudar o engenho e arte                 a
(Luís de Camões)

• Interpolada – entre dois versos que rimam, há dois ou mais sem rima ou de rima diferente.

Ex.: «A cena é muda e breve:                       a
Num lameiro,                                                b
um cordeiro                                                 b
a pastar ao de leve…»                                   a
(Miguel Torga)


• Encadeada – a palavra final de um verso rima com outra situada no interior do verso seguinte.

Ex.: «Que alegre campo e praia deleitosa!    a
Quão saudosa faz esta espessura…»             a
(Tomás Ribeiro)

– Versos soltos ou brancos – são os versos que não obedecem a qualquer tipo de rima.
Ex.: «Em Junho, a fruta começa a apetecer,
Um homem passeia no cais e debulha
uma nêspera com ar de quem faz horas.»
(António Cabral)

– SÍLABAS MÉTRICAS – são os sons apercebidos pelo ouvido.
À contagem das sílabas métricas, dá-se o nome de escansão.

– Regras para a determinação do número de sílabas de um verso:

• A última sílaba tónica corresponde à ultima sílaba métrica.
• A vogal átona final e a vogal inicial (tónica ou átona) elidem-se, formando apenas uma sílaba métrica.

Conforme o número de sílabas que os constituem, os versos têm designações diferentes.

 

 

 

  • 1 sílaba Quanto à métrica, os versos podem ter:
  • 1 sílaba (monossílabo);
  • 2 sílabas (dissílabo);
  • 3 sílabas (trissílabo);
  • 4 sílabas (tetrassílabo);
  • 5 sílabas (pentassílabo);
  • 6 sílabas (hexassílabo);
  • 7 sílabas (heptassílabo);
  • 8 sílabas (octossílabo);
  • 9 sílabas (eneassílabo);
  • 10 sílabas (decassílabo);
  • 11 sílabas (hendecassílabo);
  • 12 sílabas (dodecassílabo).

– ESTROFES – são conjuntos de versos separados graficamente por um espaço e formando, geralmente, cada um, sentido completo.
Conforme o número de versos que as constituem, as estrofes tomam designações diferentes.

Parelha ou dístico – estrofe de dois versos.
Terceto – estrofe de três versos.
Quadra – estrofe de quatro versos.
Quintilha – estrofe de cinco versos.
Sextilha – estrofe de seis versos.

. Sétima – estrofe com sete versos.

Oitava – estrofe de oito versos.

. Nona – estrofe com nove versos.
Décima – estrofe de dez versos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem escreveu mra8b às 23:34

30
Abr 09

Amo-te para sempre

Beijo-te a toda a hora

Cláudia lindo nome te deram

Desejo nunca te perder

E até o meu coração

Ficou enorme, mãe

Guardo a tua voz dentro de mim

Hoje admiro-te muito

Iluminação tem a nossa relação

Juntas ficaremos toda a vida

Linda para sempre

Mãe lindo nome

Não me esqueço de ti

Ontem, quando me agarraste

Princesa fizeste-me sentir

Quero-te eternamente

Rir contigo é “fixe”

Se soubesses como te amo

Temo por ti quando não estás bem

Um dia sei que te vou perder…

Venero-te muito

Xilofone de cores

Ziliões de beijos eu te deixo.

Andreia O.

 

Quem escreveu mra8b às 23:46

Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivos
Pesquisar
 
blogs SAPO